Revista Educação e Linguagens, VOL. 7, NO 13 (2018)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

A MARCAÇÃO DE TEMPO E AS PARTÍCULAS NO ASURINI DO XINGU: UM ESTUDO PRELIMINAR

Antonia Alves Pereira

Resumo


Neste trabalho, apresentamos um estudo, ainda preliminar, sobre o tempo no Asurini do Xingu. Essa língua, conforme classificação de Rodrigues (1986), faz parte da família Tupi-Guarani, grupo Tupi. São nossos objetivos mostrar que o sistema de marcação temporal nessa língua é passado X não-passado e que as partículas funcionam como um importante recurso na marcação de tempo, sendo a principal fonte de organização desse sistema. Na língua, presente e passado podem ser expressos da mesma forma: são não-marcados. Entretanto, se os usuários desejam assinalar o tempo da ação, a língua disponibiliza diversos recursos. O trabalho segue os pressupostos teóricos da linguística tipológico-funcional, presentes em autores como, Comrie (1981) e Givón (2001), Payne (1997), Chung e Timberlake (1995). Os dados foram coletados junto ao povo asurini em sua comunidade.

Texto Completo: PDF